GARDENIA

My journal

Things You Didn’t Do

Remember the day I borrowed your brand new car and I dented it?
I thought you’d kill me, but you didn’t.

And remember the time I dragged you to the beach, and you said it would rain, and it did?
I thought you’d say, “I told you so.” But you didn’t.

Do you remember the time I flirted with all the guys to make you jealous, and you were?
I thought you’d leave me, but you didn’t.

Do you remember the time I spilled strawberry pie all over your car rug?
I thought you’d hit me, but you didn’t.

And remember the time I forgot to tell you the dance was formal and you showed up in jeans?
I thought you’d drop me, but you didn’t.

Yes, there were lots of things you didn’t do,
But you put up with me, and you loved me, and you protected me.

There were lots of things I wanted to make up to you when you returned from Vietnam.

But you didn’t.

              Presented by Leo Buscaglia

      Eu e meu querido marido, John, eramos casados há 46 anos. Todos os anos no dia dos namorados ele me enviava as mais lindas flores com um bilhete contendo cinco simples palavras: ‘Meu amor por você cresce.’ 4 filhos, 46 buquês de flores e uma vida inteira de amor era o legado de John para mim, quando ele faleceu há dois anos atrás.
      No meu primeiro dia dos namorados sem o John, dez meses depois que ele morreu, fiquei chocada quando recebi um lindo buquê de flores… como os que John me mandava.
      Irritada e com o coração partido, eu liguei para a loja de flores para dizer que eles tinham se enganado e mandado flores para o endereço errado, logo após eu falar isso o Floricultor me respondeu ‘Não madame, não foi engano. Antes de falecer, seu marido nos pediu para que nós garantismos que você continuasse recebendo os buquês de flores no dia dos namorados por muitos anos.’ Com o coração na mão, eu desliguei o telefone e fui ler o bilhete que estava no buquê de flores. No cartão dizia: ‘Meu amor por você é eterno.’”

- Sue Johnston, 68, Houston, TX

Fonte: huffingtonpost.com

"Não programes felicidade dentro dos padrões tradicionais, que a ambição já estabeleceu e os preconceitos mantêm." - Joanna de Ângelis

When The Storm Has Blown Over

by Sophie Ellis-Bextor

Like a flower that cannot bloom
Or the snow that falls in June
You’re a thrist that’s never quenched
When the storm has blown over,
we’ll start again

Like a wound that never heals
Or the sorrow you can’t conceal
You’re the actor that won’t pretend
When the storm has blown over
we’ll start again

Don’t be so numb
Your time will come
So pick it up from where you left
Carry on
It’s enough to be strong
If we both weather the storm

Like a star that never dies
Or a broken lullaby
I can see you need a friend
When the storm has blown over,
we’ll start again

Listen

Ele era o câncer

Ele era o câncer e as chances de cura eram péssimas. Eu vivia com o câncer, enquanto ele consumia minha carne e minha alma na angústia em que me lavava.
Eu não o via, e só me diziam que eu estava morrendo, mas eu não acreditava, porque queria muito viver. Mas ele crescia e eu diminuía. Ele nasceu em mim, e alimentava-se de mim, e em breve me venceria.
Um dia, aos prantos, pedi por socorro e acabei numa clínica onde fui muito bem acolhida, e lá repousei por uma semana. Cantarolava pelos corredores de minha vida, “desangustiada” pela promessa firma de cura. Prometeram a cura.
Logo, a angústia voltou mais forte com o sabor amargo dos remédios. O estômago embrulhava enquanto eu me virava pelo avesso em espetáculos íntimos, particulares. Todo o meu cabelo caia aos maços, e minha vitalidade e disposição despencavam com métodos tão implacáveis para vencer um inimigo que vinha de mim. Estavam me ajudando, mas eu pensava que estavam me matando.
Viver com o câncer era saber que em giros da ampulheta minha felicidade seria interrompida, minha vida apagar-se-ia em poucas lembranças, e meu legado teria fim. Viver com o câncer era impossível, mas vencê-lo também seria árdua batalha que contaria com todas as minhas forças. Então foi assim. Para garantir o amanhã, por longo tempo as horas de medicação foram delirantes em finita aflição. Não se sabe ao certo o que é finito, além desta vida, então damos de braço, confundindo o infinito das estrelas com o ébano da noite.
Para acrisolar meu corpo e minha alma, tudo doeu. Tudo doeu para estar aqui por mais um dia. Mas quem não quer se curar? Quem não quer um remédio horrível que te libertará do leito para se sentir um pássaro e voltar a voar? A correr, a amar? A ter filhos e lhes oferecer o remédio amargo, e os ver saírem para brincar, e crescer, e continuar…?

O Caminho

      Diante do turbilhão de problemas e conflitos, aturdido e receoso, a um passo do desequilíbrio, indagas, sem diretriz: — Onde a via a seguir? Qual a conduta a adotar?
      Certamente, todo empreendimento deve ser precedido de planificação, de roteiro, de programa. Sem esses fatores, o comportamento faz-se anárquico, e o trabalho se dirige à desordem.
      A experiência carnal é uma viagem que o espírito empreende com os objetivos definidos pela Divindade, que a todos reserva a perfeição.
      Como alcançá-la, e em quanto tempo, depende de cada viajor.
      Multiplicam-se os caminhos que terminarão por levar à meta.
      Alguns conduzem a despenhadeiros, a desertos, a pantanais, a regiões perigosas.
      Outros se desdobram convidativos e repletos de distrações, prazeres, comodidades, engodos, passadismos.
      Poucos se caracterizam pelo esforço que deve ser envidado para conquistá-los, vencendo, etapa a etapa, as dificuldades e impedimentos.
      Uns levam à ruína demorada, que envilece e infelicita.
      Vários dão acesso à glória transitória, ao poder arbitrário, às regalias que o túmulo interrompe.
      Jesus, porém, foi peremptório ao asseverar:
      — Eu sou o caminho - informando ser a única opção para chegar-se a Deus.

Se te encontras a ponto de desistir na luta, intenta-o outra vez e busca Jesus.
Se te abateste e não tens ninguém ao lado para oferecer-te a mão, recorre a Jesus.
Se te sentes abandonado e vencido, após mil tentames malsucedidos no mundo, apela a Jesus.
Se te deparas perdido e sem rumo, apega-te a Jesus.
Se te defrontas com impedimentos que te parecem intransponíveis, procura Jesus.
Se nada mais esperas na jornada, recomeça com Jesus.

Se avanças com êxito, não te esqueças de Jesus.
Se estás cercado de carinho e amor, impregna-te de Jesus.
Se a jornada se te faz amena, agradece a Jesus.
Se encontras conforto e alegria no crescimento íntimo, não te separes de Jesus
Se acreditas na vitória, que antevês, apóia-te em Jesus.
Se te sentes inundado de paz e fé, Jesus está contigo.

      Em qualquer trecho do caminho da tua evolução, Jesus deve ser o teu apoio, a tua direção, a tua meta, tendo em mente que através dEle e com Ele te plenificarás, alcançando Deus.
      O mais, são ilusões e engodos. Não te equivoques, nem enganes a ninguém.

                    - Joanna de Ângelis

Prefiro todavia pensar com Chamfort:

É melhor deixar os homens serem o que são,
A tomá-los pelo que não são.

       Eu sou a voz que se cala, a chama que se apaga. Eu sou o fim da linha, sem palavras saltando de meus lábios moribundos. Ai, como é difícil dizer, como é difícil trazer à tona. Não quero admitir de forma alguma, é demais, para mim, falar o que fizeram comigo. Amordaçaram-me.
       Um dia, vou arrancar essa mordaça com as próprias mãos, assim como arranquei as correntes e saí tropeçando e sangrando, e vomitando, tremendo e nascendo de novo. Um dia, vou poder engessar meus ossos, colocar minha cabeça, tomar água fresca. 
        Joguei-me do alto de uma torre, daquelas arranha-céu; braços abertos, suicida assim, de lá tão alto que estaria perto de nuvens, se estivesse nublado. Mas o céu estava límpido, do mais deslumbrante azure. Porque foste tão bela para mim vida; tão justa, tão incorrupta. Eu te amo, vida, de tal forma, que não me seria permitido explicar, denotar.
         

and

Make sure you aren’t living out your fears but releasing them. Try to remember that there is a purpose for every hardship or opportunity in your life.
                                                                      - Demi Lovato

Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade, uma só teoria errônea. Efetivamente, sobre essa teoria poderíeis edificar um sistema completo, que desmoronaria ao primeiro sopro da verdade, como um monumento edificado sobre areia movediça, ao passo que, se rejeitardes hoje algumas verdades, porque não vos são demonstradas clara e logicamente, mais tarde um fato brutal, ou uma demonstração irrefutável virá afirmar-vos a sua autenticidade.